quinta-feira, 6 de novembro de 2008

A na Bola!!! Anarquia!


Contrário ao capitalismo, o Anarquismo surgiu como a doutrina política que defendia a necessidade de suprimir qualquer forma de Estado. Teve seus precursores no inglês William Godwin, autor de justiça Política (o poder exerce, pôr sua própria natureza, uma influência perniciosa), no alemão Max Stirner, que escreveu 0 Único ("todo Estado é tirania, tirania de um só ou tirania de muitos'), e no francês Pierre-Joseph Proudhon, o primeiro a utilizar a denominação anarquia para caracterizar suas teorias. Proudhon, aliás, deu maior consistência as idéias anarquistas e propôs a substituição do mecanismo capitalista de produção, distribuição, consumo e crédito, pelas cooperativas e imaginou também usar bônus de trabalho ao invés de dinheiro'.
Entretanto, foram os russos Miguel Bakunin (1814-1876), com o Catecismo do Revolucionário, e Pedro Kropotkin (1842-1921), com a Conquista do Pão, os responsáveis pelas principais teorias anarquistas. Sustentaram que o governo, e consequentemente, o Estado, representam a origem dos males da sociedade, não admitindo, como os marxistas, a necessidade de organizar o Estado Socialista, etapa transitória da ditadura do proletariado, inevitável para atingir a sociedade comunista. Afirmando serem o industrialismo e o capitalismo produtos do Estado, pregavam a eliminação do Estado e da propriedade privada, apresentando a sociedade anarquista como um conjunto de pequenas comunidades cooperativas dedicadas à distintas modalidades da atividade produtiva, sem visar ao lucro, mas ao auto abastecimento e ao intercâmbio direto (troca)". 'O Anarquismo revolucionário esteve representado em uma modalidade tipicamente terrorista pelo niilismo russo e assumiu uma de suas formas políticas mais vigorosas no chamado Anarco - Sindicalismo ou incorporação da ideologia anarquista ao movimento operário organizado."
Recorrendo A violência como meio de ação (preconizada por Bakunin, que justificara a luta armada, a greve e os atentados contra os governantes) ou rejeitando-a (conduta defendida por Kropotkin, que recomendava o não pagamento de impostos, o repúdio ao serviço militar e a recusa ao reconhecimento dos tribunais de justiça). O Anarquismo teve maior popularidade na Rússia, Itália, Espanha e nos Estados Unidos, onde fracassaram as comunidades anarquistas ali criadas.

O anarquismo é a política que mais chega perto da liberdade humana; e é também uma das políticas que tiveram a menor aceitação pelo povo mundialmente. É claro que teve suas épocas de grande adesão, mas as porcentagens não são muito relevantes...
Porém essa ideologia teve (e tem até hoje) milhares de fiéis simpatizantes, desde humildes pensadores até grandes intelectuais (escritores, pintores, músicos, atores, boêmios...). Seu estudo e literatura são muito vastos e portanto facilmente encontrados em bibliotecas, amostras, liceus...
A ética anarquista como complemento ao intelecto humano é politicamente indispensável, para formar um meio social justo e igualitário, com seres humanos sem medos fantasiados por dogmas, tabus e pela competição desleal que o capitalismo e a alienada sociedade de consumo impõe direta ou indiretamente, formando a maioria dos problemas de uma sociedade frágil.


Filmes que falam de Revolução
Infelizmente estes filmes devem ser muito difíceis de serem encontrados em locadoras comuns.

ESCÂNDALO, PAVOR E CHAMAS. Sob a direção de Mel Stuart, este filme norte-americano revive a tragédia de 146 trabalhadoras de uma tecelagem, queimadas em seu local de trabalho, quando faziam greve de protesto (que originou o 8 de março).

CECILIA, Co - produção franco-italiana dirigida pôr Jean-Louis-Comolli, é um longa metragem sobre a colônia Cecília, fundada por anarquistas italianos no Paraná, em 1890, esta colônia foi onde atualmente é a cidade de Palmeiras.

MALATESTA, do diretor alemão Peter Lilienthal, é um filme totalmente dedicado à vida de Enrico Malatesta (1853- 1932), o mais famoso anarquista do século XX.

METELLO, excelente trabalho de Mauro Bolognini, mostrando as lutas operárias na Itália, no inicio do século atual, e o confronto com as autoridades e com o fascismo ascendente.

OS COMPANHEIROS, outro notável filme italiano. Sob a direção de Mário Monicelli faz-se um painel dramático da luta dos operários de uma cidade que se industrializava na década de 1880. Elenco de alta qualidade, sobressaindo a atuação de Marcello Mastroiani no papel de um combativo professor socialista.

ROSA LUXEMBURGO é um filme alemão dirigido pôr Margarethe von Trotta enfocando a vida da teórica e revolucionária, cujo nome da o título da película.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Stay Rebel, Stay Punk!