quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Verdadeira Cultura Punk!!!

“Toda a cultura punk por essência não visa lucro financeiro, não se preocupa com copyrights e mesmo assim e talvez por isso tem muito mais ética do que qualquer outra cultura mestrada e dominante”
O Movimento punk desde o surgimento optou por uma divulgação alternativa de seus materiais, seja por desinteresse da mídia padrão pelos tão malditos materias como que pelo desprezo dos próprios punks por tal mídia, não há como coexistirem pacificamente, vários exemplos detalham tal fato...
A enorme dificuldade de se prensar um LP, principalmente nos paises de 3º mundo, e a facilidade de reprodução caseira da fita K7, unidos à singular criatividade gráfica improvisada para a produção das capas fotocopiadas, fizeram com que a maior parte da trilha sonora desta cultura fosse produzida e composta pela clássica demo-tape (abreviação do inglês demonstration tape), fitas que iam e vinham se espalhando como um vírus pelas mãos do pessoal que gostava do som.
Muitas vezes de gravações oriundas de toscos estúdios e até mesmo caseiras algumas destas produções, sem a mínima estrutura comercial de distribuição correram o mundo... E eternizaran-se fora do limite imaginado pelos próprios músicos punks.Com a criação do CD e sua porterior popularização muita coisa facilitou-se tanto para o meio punk como para qualquer outro, permitindo mais uma opção para nós curtirmos um agradável barulho punk.
Inicialmente muita gente da cena punk mundial torceu o nariz e não aceitou a imposição do mercado e industria com o arquitetado padrão compact disk, nesta época (início dos 90) praticamente tudo o que foi lançado no Brasil de som punk em CD pôde ser classificado como intencionalmente comercial, porém com a consequente e inevitável popularização dos aparelhos leitores de cd’s, e dos computadores pessoais com cd recorders, que com sua versatilidade facilitam muito para inúmeras bandas punks, tivemos que ceder ao cedê (me desculpem pelo infame trocadilho).
Hoje em dia é muito mais barato um cd virgem em relação à uma fita cassete virgem, sua gravação é simples e exige poucos recursos, todo mundo que tem uma banda, tem ou conhece alguem que tenha um computador com CDR, disposto `a fazer diversas cópias, e defimitivamente tal tecnologia deixou de ser apenas para privilegiados pois é até mais barata que a própria aparelhagem básica da banda para ensaio.Não tenho a mínima vontade de fazer apologia alguma ao cd... Só o encaro como um real e inevitável fato, talvés mais prático, porém nunca superior ao lp, ep ou à demo. Inclusive existem muitas distribuidoras punks que são especializadas na esclusiva divulgação de demos, influenciadas por alguns fatores ideológicos para isso, junto à necessidade, opção e livre preferência, também há um certo envolvimento nostálgico que isso transmite, assim como há pessoas que dão preferência aos seus raros discos de vinil.
Eu pessoalmente admiro alguns amigos que até hoje ostentam com orgulho suas “demotecas” que com certeza são um arquivo com muito mais essência que uma coleçãozinha de mp3.
Sem é claro querer descartar o fato deste formato de audio ter realmente revolucionado e abalado as rígidas estruturas da propriedade autoral, com um impacto diretamente relevante também à cultura musical punk. Kazaa-te... Emula-te...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Stay Rebel, Stay Punk!