domingo, 26 de outubro de 2008

ataksocial.rg3.net















A Atak Social é uma distribuidora alternativa que já vem à algum tempo divulgando pelo Brasil e pelo mundo bandas que não querem fazer parte da mídia comercial padrão... E idéias que consonam com o nosso convicto pensamento punk.
Segue aí então o nosso novo E-catálogo da Atak Social Records... Este é o atual resultado do trabalho que estamos desenvolvendo com muita vontade desde 1998 aqui em Ctba, com a pretensão única de não deixar o ideal punk e anarquista cair no sedentarismo que parece envolver parte da cena nos ultimos tempos... Como já dissemos na primeira edição do catálogo da ASR... Não queremos com isso vizar nenhum benefício pessoal e nem tampouco comercializar a nossa cultura, estamos apenas tentando divulgar aquilo em que acreditamos... Divulgando para punks e pessoas que não tem a oportunidade de conseguir esse material em outro lugar.

Seja punk mas não seja burro!














Militar usa coturno... ...Mas não é punk!
Emo usa cinto com rebite... ...Mas não é punk!
Mendigo não toma banho... ...Mas não é punk!
Boy usa "pirce"... ...Mas não é punk!
Jogador de futebol usa moicano... ...Mas não é punk!
Pagodeiro tem tattoo... ...Mas não é punk!
Tiozinho vive cuzido... ...Mas não é punk!
Cobrador de onibus tem camiseta do Ramones... ...Mas não é punk!

E voçê tá achando que punk é só visual...
Aparência pode ser tudo pra quem é superficial e quer
aparecer um pouquinho, mas se voçê quer fazer realmente
parte do MOVIMENTO punk tem que ter conteúdo e idéias que
coincidem com as idéias que fazem parte da cultura punk.
O DIY, a oposição ao consumismo,
a agressividade contra os padrões impostos pelo sistema,
a visão no futuro mesmo que pessimista,
a abolição do sentimento interior de preconceito,
o desprezo aos supérfluos itens materiais...
E principalmente a criatividade.

Se você está entrando agora no meio punk, saiba que o visual é realmente algo anexado á nossa cultura, porém tente se informar sobre a origem da agressividade na aparência punk... Stay Rebel, Stay Anarcho, Stay Punk!

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Sobre a imprensa alternativa! Zine-se!

O descaso à leitura é uma realidade... Realmente o povo não tem o hábito de informar-se (ou entreter-se) lendo, geralmente preferem o meio de comunicação mais alienado e deturpador, a televisão. Inclusive tenho até certeza de que menos de 1 quinto do pessoal que pegar este zine chegará à ler este editorial... Porém o processo de confecção de um zine ou qualquer outra publicação alternativa é muito fácil, empolgante e importante... É em um zine que uma pessoa pode encontrar coisas muito boas que a mídia deixa de lado por achar que não seria economicamente viável (ainda bem, pois tudo o que a mídia burguesa toca vira lixo cultural).
A vantagem da imprensa alternativa é clara, a divulgação é restrita mas é bem direcionada, em grupos de afinidades, se toda a mídia fosse assim, não seríamos obrigados à ver tanta merda que esta exposta por todos os cantos.
A importância é lógica, pois é aqui que vemos a arte sincera, a ideologia libertária (e não o fascismo pregado pelas globos...) E o pensamento de pessoas que fazem as coisas por gosto e não por cifras... Portanto segue aí a nossa mensagem que já está até ficando um pouco batida... A tevê estupra as nossas mentes, desligue-a e leia algo... De preferência um zine, apoiemos a imprensa alternativa, incomodemos com música quem acha que o punk não é empolgante... Gritemos verbos para quem acha que o punk não é cultura... Joguemos merda nos alienados fascistas que nos discriminam... Stay rebel... Stay anarcho... Stay punk...

Entrevista com o nosso grande Marião,













Esta entrevista foi feita pelo zine Os Impregnantes nº16 em 1998 e transcreve um pouco do pensamento de Marião... Que além de um grande amigo foi um singular artista, desenhista, escultor e agitador da cena underground em Curitiba.Como músico nos mostrou o Taunhauser, banda de industrial que fazia uma música não só caótica e distorcida... Mas principalmente criativa e diferente... Dentre seus shows destacamos em 96 sua passagem pelo lendário Bar dos Punks na Fazendinha, levando ao delírio a multidão em meio à faiscas e vôos de latão. Em 96 também foi um dos donos do Estorvo, bar under que marcou época aqui em Curitiba.Marião foi um dos idealizadores e organizadores do festival alternativo de arte Ideosfera, inigualável e inesquecível evento que reunia música, teatro, fotografia, pintura, escultura, poesia, e demais manifestações artísticas de pessoas do meio underground de Ctba. Infelizmente teve apanas 3 versões... As duas primeiras na CEU e a terceira no TUC... Já com Marião falecido.Foi em uma noite no Lino’s Bar que por meio de um rajada de tiros nosso gigante Marião morreu... Porém em nossa memória viverá para sempre...

1-Porquê você começou a quadrinhar? Ou desenhar?Fiquei muito tempo sem desenhar(9 anos), tive que adquirir novas técnicas, de repente senti que tinha que voltar..Voltei por vontade própria..

2-Sabemos que você veio do RJ,essa arte veio juntamente de lá,ou a coisa se desenvolve.e surgiu aqui em CWB ? Não, já nasci com o dom! Com uma certa idade entrei para um curso de desenho,mas fiquei poucos meses, me aprimorei aqui em CWB, por conta própria.

3-Como você vê a HQ under aqui no BrasilHá bons desenhistas e roteiristas, prediletos há vários que eu gosto... Lourenço Mutarelli, tudo dele é bom..Agora pra retratar a urbanizacão underground, Angeli ... Mas não sou quadrinista.

4-E em Curitiba? se encontra coisa boa no gênero? Tem um pessoal aí muito bom, mais tenho pouco contato sobre quadrinho, mais com música.

5-O que é o SCAB ?SCAB LOMHLABA é casca de ferida da terra em ingles e ZULU africano,tudo que pros outros é agressivo tem neste zine.

6-Seu traço e bastante violento, podre, industrial... Essa violência éum traço seu e aparece naturalmente? Ou é uma demonstração do Caos social/humano?Aparece natura lmente,tudo e ficção, para as pessoas até pode parecer uma demonstração do caos social humano, mas pra mim é uma forma de agredir aos comportados.

7-E em outros termos,você se define politicamente ou apoliticamente nos desenhos e em sua vida?Politicamente anarco exótico, com um gosto muito pessoal. Quadrinhos não é tudo na minha vida. Música é tudo ... É tentar sobreviver nesta cidade totalmente louca com pessoas dementes...

8-Para se desenhar a pessoa tem que ter muita sensibilidade e percepção, como é quê você trabalha com essas duas coisas? Não sou um bom desenhista, mas consigo passar bem tudo o que eu imagino ou sonho. Agora, em quentão de sensibilidade, isso é muito difícil, pois não há muita tristeza em meus desenhos, só agressividade, e é o que eu mais gosto.

9-E qual é a sua mensagem para os garotos que estão começando à desenhar?Faça coisa própria, que é muito difícil, mas não impossível, e escute mais sons sortidos...

10- Você conheçe e escuta muito Industrial, esse tipo de música te influencia? Claramente sim! Continuo escutando tudo que cai na minha mão, mas ao longo de um ano e meio ando escutando coisas mais estranhas, como bandas mais experimentais, grupos que usam instrumentos de cordas, violino, piano, etc... Algumas coisas étnicas e mais exóticas ainda, como: Moondog, Pere Ubu,Glatze des Villens, Steven Brown , Música celestia Sampler, Vozes de Mundos Esquecidos, e por aí vai, e também algumas coisas dos anos 80, que só agora consegui, nacional Tom Zé, Itamar Assunpção...

11-Dê uma geral da história em quadrinhos que você; esta lançando... Eu não vou dar geral nada... Mas vem também outro zine e escultura, que brevemente vai rolar tudo junto...

12-Como você vê a graciosidade dos vôos dos pelicanos no norte do Arcanças?Há.Há Voem baixo para não entrar nas turbinas dos aviões, voem alto para não serem caçados por loucos pelo seu imenso bico que dá um ótimo suvinir...
















Serginho(Cuiabá, ex GTW), "Pastel", ? e Marião curtindo num boteco em CWB.












Artes by Marião




Absurdo, abcego e abmudo!

Escute! Você está me entendendo? Estou falando com você ô surdo! Está me ouvindo? Você mesmo que está agora lendo esse "brog"!
Se estiver me ouvindo diga: Sim!
Não! Não diga sim em pensamento, vamos! Diga sim em voz alta pra eu ouvir! Por favor, vai! Diga sim vai! Responda-me, pois já estou me sentindo um inútil.
Há! Diga um pouco mais alto que eu paro de encher o saco! Juro-te! Só quero saber se você esta me ouvindo. Diga de uma vez, vamos!!! ... !!! ... !!!
Bem! Se você disse o meu sim que eu pedi, eu não ouvi e acho então que sou surdo; se você não disse foi porque então não me ouviu pedindo, falando! Então acho que sou mudo.
Se você disse o sim que eu pedi, mas não ouvi e do seu lado estiver alguma pessoa, ela deve estar rindo de você, curiosa ou achando-o estranho, não sei! Supondo isso, pois não vi!
Não vi??? Hóu mai gódi!!! Sou cego!
Isso aí é a comunicação de um texto, um ser mudo que te faz ouvir, um ser surdo que o faz falar, um ser cego que talvez o faça ver...
Gutenberg disse! Eu não ouvi nada...

Texto retirado dos contos Pseudoni-me Please! De autoria do impregnante aqui...

Verdadeira Cultura Punk!!!

“Toda a cultura punk por essência não visa lucro financeiro, não se preocupa com copyrights e mesmo assim e talvez por isso tem muito mais ética do que qualquer outra cultura mestrada e dominante”
O Movimento punk desde o surgimento optou por uma divulgação alternativa de seus materiais, seja por desinteresse da mídia padrão pelos tão malditos materias como que pelo desprezo dos próprios punks por tal mídia, não há como coexistirem pacificamente, vários exemplos detalham tal fato...
A enorme dificuldade de se prensar um LP, principalmente nos paises de 3º mundo, e a facilidade de reprodução caseira da fita K7, unidos à singular criatividade gráfica improvisada para a produção das capas fotocopiadas, fizeram com que a maior parte da trilha sonora desta cultura fosse produzida e composta pela clássica demo-tape (abreviação do inglês demonstration tape), fitas que iam e vinham se espalhando como um vírus pelas mãos do pessoal que gostava do som.
Muitas vezes de gravações oriundas de toscos estúdios e até mesmo caseiras algumas destas produções, sem a mínima estrutura comercial de distribuição correram o mundo... E eternizaran-se fora do limite imaginado pelos próprios músicos punks.Com a criação do CD e sua porterior popularização muita coisa facilitou-se tanto para o meio punk como para qualquer outro, permitindo mais uma opção para nós curtirmos um agradável barulho punk.
Inicialmente muita gente da cena punk mundial torceu o nariz e não aceitou a imposição do mercado e industria com o arquitetado padrão compact disk, nesta época (início dos 90) praticamente tudo o que foi lançado no Brasil de som punk em CD pôde ser classificado como intencionalmente comercial, porém com a consequente e inevitável popularização dos aparelhos leitores de cd’s, e dos computadores pessoais com cd recorders, que com sua versatilidade facilitam muito para inúmeras bandas punks, tivemos que ceder ao cedê (me desculpem pelo infame trocadilho).
Hoje em dia é muito mais barato um cd virgem em relação à uma fita cassete virgem, sua gravação é simples e exige poucos recursos, todo mundo que tem uma banda, tem ou conhece alguem que tenha um computador com CDR, disposto `a fazer diversas cópias, e defimitivamente tal tecnologia deixou de ser apenas para privilegiados pois é até mais barata que a própria aparelhagem básica da banda para ensaio.Não tenho a mínima vontade de fazer apologia alguma ao cd... Só o encaro como um real e inevitável fato, talvés mais prático, porém nunca superior ao lp, ep ou à demo. Inclusive existem muitas distribuidoras punks que são especializadas na esclusiva divulgação de demos, influenciadas por alguns fatores ideológicos para isso, junto à necessidade, opção e livre preferência, também há um certo envolvimento nostálgico que isso transmite, assim como há pessoas que dão preferência aos seus raros discos de vinil.
Eu pessoalmente admiro alguns amigos que até hoje ostentam com orgulho suas “demotecas” que com certeza são um arquivo com muito mais essência que uma coleçãozinha de mp3.
Sem é claro querer descartar o fato deste formato de audio ter realmente revolucionado e abalado as rígidas estruturas da propriedade autoral, com um impacto diretamente relevante também à cultura musical punk. Kazaa-te... Emula-te...

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Curiosidade Dalbolga!
















Certa noite, no ano de 1992, dois punks da Fazendinha que preservaremos o nome, foram presos após a infrutífera tentativa de desapropriar os instrumentos musicais de uma igreja local.
Bêbados, chegaram arrebentando com a porta da frente do sacro recinto, empolgados com a idéia em montar a primeira banda punk da Fazendinha. Mas o azar falou mais alto, ao lado da igreja morava um policial que acordou de cuecão e os prendeu em pleno flagrante...

Resultado: No dia seguinte estavam lá nossos amigos dando audiência pro Programa do famoso cidadão acima, que com seu clássico porrete na mão gritava enlouquecido "Tem que matá tudesses Panque"

LAI (Livre Associação de Idéias)












(Foto Banda LAI no CAfofo Bar)

Para baixar o som da primeira demo do LAI, (Renegando à Deus e a falsidade... Condenados á viver em liberdade...) Mais uns bonus da segunda demo, Manda bala no link aí abaixo...

http://www.4shared.com/file/71791776/f68c9003/Livre_associao_de_idias.html

E se por acaso você curtiu o som e a atitude desta extinta banda punk daqui da Fazendinha, ajude-nos e divulgue o link pros camaradas... Stay Rebel, Stay Anarcho, Stay punk...

domingo, 12 de outubro de 2008

Bandas Punks da Fazendinha!

Aqui vou fazer uma listagem cronológica das bandas punks da fazendinha que já estão extintas, mas que merecem destaque pra não ficarem esquecidas. É óbvio que tinham e tem outras bandas que tocam Punk Rock e Hardcore, mas não citei-as aqui por apenas um motivo:

-Citarei apenas bandas que fizeram parte do movimento punk, bandas integradas por pessoas envolvidas com a cultura punk, pois acredito que "banda punk" é uma coisa e banda "estilo punk" é outra. Falou!

1- Cérebro Distorcido.











Show Bar dos Punks

Foi o embrião das bandas punks da Fazendinha, iniciou logo após o primeiro gig do Bar da Selma.
data: 1993-1994
Gravações: Apenas caseira, participou da coletânea punk Hardcoretiba
Shows: Bar da Selma e Bar dos Punks
Formação: Girino/vocal, Aulus/baixo, Armando/Guita e Beterraba/Batera


2- LAI (livre associação de idéias)










Gig Bar do Meio


Mais significativo grupo punk da fazendinha...
data: 1996-1998
Gravações: DemoTape Renegando à Deus e a falsidade... Demotape O verdadeiro hardcore... Demo Ao vivo em Guaramirim/SC e Uma coletâneo com as bandas Difekto e desajustados
Shows: Bar dos punks, Bar do Meio, TUC, Cefet, Parque Bacacheri, Squat Kaaza, Festival Polenta Frita/RS, Clube Curupira/SC, Londrina, Cafofo Bar... etc
Formação: Girino/Vocal, Armando/Guita, Zorba/Baixo e Flores/Batera


3- ANT (Atentado no teatro)












data: 1994-1995
Gravações: Apenas demo caseira
Formação: PomPom/Guita, Armando/Baixo, Flores/Batera e Girino Vocal


4- Horrible Day















data: 1998-1999
Gravações: Apenas demos caseiras
Shows: Bar do João, Passaúna, Bar da Lurde(Campo largo), Casamarela (Campo Largo)...
Formação: Pompom/vocal, Luciano Locão/Batera, Armando/Guita e Fábio/Baixo